Postagens

Mostrando postagens de 2013

PTEJA SEU COMPUTADOR

<iframe width="332" height="112" src=" http://seguranca.uol.com.br/antivirus/widget.html " frameborder="0"></iframe>

VIOLÊNCIA ESCOLAR ?

  Nesta época de mandos e desmandos está ficando quase impossível identificarmos com clareza fatos ou situações que no passado não deixavam dúvidas. Hoje em dia está muito na "moda" falar sobre violência escolar. É só abrirmos um jornal, ligar um rádio ou televisão e lá está uma manchete: "aluno (a) agride professor (a) em sala de aula". Isto quando a manchete não é mais agressiva: "aluno entra armado em escola e esfaqueia professor que lhe deu nota baixa". Parece uma epidemia e não é só em escolas de ensino básico ou médio. Também não é só em escolas públicas. Está ocorrendo em escolas públicas ou privadas, nas grandes e pequenas cidades, em periferia ou regiões centrais. É como se a tal violência escolar, estivesse passado por um processo de democratização, atingindo todas as classes, sociais, econômicas, religiosas... Para completar até nas faculdades já há casos de violência. Há bem pouco tempo um professor de uma escola superior de Belo Ho

SINAL DE ALERTA

Imagem
  O pânico. O Pânico é nitidamente diferente de outros tipos de ansiedade. Caracteriza-se por crises súbitas, sem causas aparentementes e frequentemente pode ser incapacitante.- Depois de ter uma crise de pânico, por exemplo, enquanto conduz, ou enquanto está a fazendo compras numa loja com a presença de muitas pessoas. Pode acontecer também dentro de um elevador. A pessoa pode desenvolver medos irracionais destas situações e começar a evitá-las. Gradualmente, o nível de ansiedade e o medo de uma nova crise podem atingir proporções tais, que a pessoa pode tornar-se incapaz de conduzir ou mesmo sair de casa. Por isso, a perturbação de pânico pode ter um impacto muito grande na nossa vida diária, podendo nos causar muitos problemas a menos que receba tratamento eficaz. E Agorafobia. É muito comum ouvir-se falar sobre os ataques de pânico, porém não é comum ouvirmos sobre a agorafobia. O impacto deste mal na qualidade de vida pode ser muito desgastante. Os sintom

O MAL DO SÉCULO.

A depressão constitui hoje em um problema grave de Saúde Pública devido ao elevado número de pessoas atingidas. Vivemos hoje uma condição que nos é imposta pela situação social atual muito perversa isto aliado aos valores da nossa sociedade (aumento do individualismo e competição) são fatores extremamente depressivos. Houve uma época em que a neurose estava na “moda”, hoje   certamente esta “moda” é a depressão. Portanto, se está triste sem causa aparente, perdeu a energia ou o interesse por atividades que antes eram prazerosas, está na hora de começar a pensar em procurar ajuda. Porque os maiores desafios são aqueles que impomos a nós mesmos, desafie-se a mudar… a forma como se sente hoje não é forma como tem que se sentir amanhã! O homem e a depressão. A depressão não é um sinal de fraqueza emocional ou falta de masculinidade. É uma condição de saúde que apesar de em muitos casos ser grave é tratável. Este mal afeta milhões de homens de todas as idades e origens, em to

QUANDO A MEDICAÇÃO PODE SER BENÉFICA.

Imagem
No exercício da atividade psicoterápica, muitas vezes nos depararmos com o questionamento sobre a escolha entre medicação e psicoterapia. Não são raros os casos onde a escolha pode ser pela utilização de ambas. A medicação visa sempre restabelecer um equilíbrio no nosso corpo, que pode beneficiar a psicoterapia. t Quando temos dores e tomamos analgésicos, a finalidade é aliviar o sintoma e não a causa. Se não corrermos atrás da causa da dor, estaremos sempre recorrendo a essa medicação.  No campo da psicologia, podemos fazer um paralelo: se a pessoa se encontra deprimido/a, a medicação pode ser um bom estabilizador, mas, a situação que causou a depressão não é alterada com a medicação. As causas são variadas: dificuldade no relacionamento interpessoal, pensamentos negativos, demasiada concentração nos problemas alheios e não nos nossos, dificuldade em perceber e estabelecer limites perante os outros ou fraco controle de impulsos. A medicação pode ser importante sim para con

ABORDAGEM CENTRADA NA PESSOA.

A Abordagem Centrada na Pessoa é uma abordagem das relações interpessoais desenvolvida pelo psicólogo americano Carl Rogers (1902-1987), um dos mais renomados psicólogos do século XX e um pioneiro na pesquisa científica em psicoterapia. O pressuposto fundamental da Abordagem Centrada na Pessoa é que em todo indivíduo existe uma tendência à atualização, uma tendência inerente ao organismo para crescer, desenvolver e atualizar suas potencialidades numa direção positiva e construtiva. Com vários anos experiência clínica e com base em diversos resultados de pesquisa, Rogers formulou a hipótese de que esta tendência à atualização é promovida em uma relação interpessoal permeada das atitudes de empatia, consideração positiva incondicional e congruência: Empatia é a atitude de tentar se colocar no lugar da outra pessoa e tentar "ver com os olhos dela". É compreender a pessoa a partir do quadro de referência dela. Para isto, é necessário deixar de lado nossos próprios pontos de v

FAÇA SUA PARTE

FAÇA A SUA PARTE: Muitas vezes nos encontramos numa situação tão confusa que parece-nos sem solução.  Isto pode acontecer em qualquer área das relações humanas: relação amorosa, de trabalho, de amizade, comercial, etc...  Tenho observado que a falta de clareza nas relações é o fator que mais contribui para esta confusão. Sabemos não SER fácil distinguir os melhores caminhos para alcançarmos nossos propósitos. Porém, é quando estamos neste “beco sem saída” que uma ajuda externa pode fazer a diferença: pode ser uma conversa com um amigo, um conselheiro e principalmente com um profissional com conhecimento técnico nas relações humanas, um psicólogo por exemplo. Sabemos também que não é fácil admitir que esteja faltando clareza nas relações. É muito comum ouvirmos frases assim: “não sei mais o que fazer para convencer o fulano (a) de minhas intenções, estou sendo muito claro (a)”. Tenho observado que esta falta de clareza está relacionada com nossa dificuldade em entender que numa re
Como e porque aprendemos. Existem várias teorias para explicar como e porque aprendemos: a seguir os estudos de dois teóricos da linha humanista. A Pirâmide de Abraham Maslow. A hierarquia, apresentada por Abraham Maslow, organiza de forma linear o processo sobre “necessidades humanas”. Esse método é representado em forma de pirâmide, o que poderá facilitar a compreensão para os inressados em seu trabalho. Maslow estabeleceu uma ordem a cada necessidade que o ser humano apresenta durante sua vida, ou seja, uma concepção do desenvolvimento humano. Claro que há algumas variáveis nesta hierarquia pois sabemos que os seres humanos são constituídos por diferenças, por isto não é difícil encontraremos pessoas que obtenham satisfação ou insatisfação das necessidades em diferentes graus, é o caso dos que contentam-se com muito pouco e aqueles, para os quais, nada está bom. A teoria de Maslow quer provar que homens e mulheres tem um projeto infinito de construção pessoal, pois mesmo a

DISLEXIA X DISLÉXICOS

Segunda a Wikipédia a Dislexia é uma dificuldade na área da leitura, escrita e soletração. A dislexia costuma ser identificada nas salas de aula durante a alfabetização, sendo comum provocar uma defasagem inicial de aprendizado. Segundo os cientistas existem vários tipos de dislexia: Dislexia Disfonética, Dislexia Diseidética, Dislexia Visual e Dislexia auditiva.  O tipo de conduta terapêutica depende do tipo de dislexia. Contudo, é consenso entre os profissionais da área, que a pessoa que apresenta este tipo de dificuldade precisa além do apoio terapêutico de uma boa dose de disciplina especialmente nos estudos. É comum ouvirmos de pais de crianças ou adolescentes com dislexia, que o desgaste causado pelo esforço destas pessoas é muito grande. Certamente este esforço é o resultado da competição a que são submetidos com a justificativa de não ficarem para traz. É fundamental que no final do ano letivo tirem ótimas notas e assim passem de ano. Embora, seja compreen
<a href=" http://www.doctoralia.com.br/medico/amorim+benjamim+da+silva-12135100">Dr . Benjamim da Silva Amorim em Doctoralia</a>

O TDAH na Escola (Matando um leão a cada dia)

            Segundo Russel A. Barkley as crianças com TDAH tem grandes dificuldades de ajustamento diante das demandas da escola.Um terço ou mais de todas as crianças portadoras de TDAH ficarão para trás na escola, no mínimo uma série, durante sua carreira escolar,e até 35% nunca completará o ensino médio. As notas e pontos acadêmicos conseguidos estão significativamente abaixo das notas e pontos de seus colegas de classe. Entre 40% a 50% dessas crianças acabarão por receber algum grau de serviços formais através de programas de educação especial, como salas com recursos, e até 10% poderá passar todo o seu dia escolar nesses programas. Complicando esse quadro, existe o fato de que mais da metade de todas as crianças com TDAH também apresentam sérios problemas de comportamento opositivo. Isto ajuda a explicar porque entre 15 a 25% dessas crianças serão suspensas ou até expulsas da escola devido a problemas de conduta.             É de extrema importância que alunos com TDAH sejam

A INCLUSÃO NÃO É PARA TODOS ?

Por inclusão entende-se: a possibilidade de garantir a participação de todos os indivíduos na sociedade. O termo inclusão vem sendo usado nas políticas públicas visando garantir a integração das pessoas especiais em ambientes comuns, como escolas e mercado de trabalho, através de ações e programas sociais que visam melhorias em sua vida. Há projetos desenvolvendo oficinas, cursos, palestras direcionados a defesa dos direitos e a participação na vida social. IBDD, Instituto Brasileiro de Defesa dos Direitos a Pessoa com Deficiência, tem suas ações voltadas para mercado de trabalho, direito e esportes. A Wikipédia, enciclopédia livre define a inclusão como: "Oportunidades de acesso a bens e serviços, dentro de um sistema que beneficie a todos e não apenas aos mais favorecidos no sistema em que vivemos. Incluir é um termo abrangente envolve participação efetiva em todo o processo. Significa estar presente, decidir, participar. Hoje não se concebe discriminar as diferenças. Todo