Postagens

Mostrando postagens de Outubro 18, 2020

QUANDO A CASA DOS AVÓS SE FECHA 🏠

Imagem
  Bento Ribeiro   Acho que um dos momentos mais tristes da nossa vida é quando a porta da casa dos avós se fecha para sempre, ou seja, quando essa porta se fecha, encerramos os encontros com todos os membros da família, que em ocasiões especiais quando se reúnem, exaltam os sobrenomes, como se fosse uma família real, e, sempre carregados pelo amor dos avós, como uma bandeira, eles (os avós) são culpados e cúmplices de tudo. . Quando fechamos a casa dos avós, também terminamos as tardes felizes com tios, primos, netos, sobrinhos, pais, irmãos e até recém-casados que se apaixonam pelo ambiente que ali se respira. Não precisa nem sair de casa, estar na casa dos avós é o que toda família precisa para ser feliz. As reuniões de Natal, regadas com o cheiro a tinta fresca, que cada ano que chegam, pensamos “...e se essa for a última vez”? É difícil aceitar que isso tenha um prazo, que um dia tudo ficará coberto de poeira e o riso será uma lembrança longínqua de tempos talvez melhores. . O ano

Cruzada contra a pandemia do medo.

 ANDEM DE MÁSCARA SE ISSO VOS FIZER SENTIR MAIS SEGUROS E MANTENHAM O DISTANCIAMENTO SOCIAL E FAMILIAR QUE ENTENDEREM, MAS VOLTEM A VIVER AS VOSSAS VIDAS PORQUE SENÃO, UM DIA, PODERÃO JÁ NÃO TER TEMPO. Após o reinício gradual da minha atividade assistencial normal, tenho vindo a deparar-me com situações catastróficas que têm ocorrido, à porta fechada, nos mais variados lares portugueses. O medo (sempre o medo), paralisou as pessoas. Deixaram de raciocinar, pensar pelas suas cabeças, estão completamente desorientadas. Ontem, encontrei alguém na rua que me disse: «foi criminoso o que nos fizeram» e, não podendo concordar mais com esta afirmação, decidi que tinha de fazer alguma coisa. Não podemos continuar assim. Os idosos, que lentamente retomam as suas consultas, idosos válidos antes do início da pandemia, mal se mexem, pois nesta espera de dois meses, em que os dias se sucediam todos iguais, passavam o tempo deitados ou sentados, à frente da televisão (a sofrerem tortura psicológica c