SÍNDROME DE BURNOUT: A DOENÇA DO ESGOTAMENTO PROFISSIONAL


20 de abril de 2017
Não importa qual a atividade profissional, o estresse faz parte do dia-a-dia num mundo cada vez mais competitivo e exigente. A Síndrome de Burnout é uma das consequências do ritmo de vida acelerado a que estamos submetidos. Esta patologia é caracterizada por um estado de tensão emocional e estresse provocado por situações de pressão, como por exemplo condições de trabalho desgastantes. O psicólogo alemão, Herbert Freudenberger, radicado em Nova Iorque foi quem a descreveu pela primeira vez. Ele mesmo foi vítima deste desarranjo emocional.
Em geral é uma patologia que atinge profissionais em contato direto e intenso com pessoas ou situações que influenciam suas vidas. É mais comum em profissionais das áreas da educação, da saúde, da segurança pública como bombeiros, policiais.

SINTOMAS
A sintomatologia é bem diversificada. Por isso, é importante um diagnóstico realizado por profissional especializado. A pessoa acometida desta síndrome apresenta um esgotamento físico e mental bem acentuado. Frequentemente apresentam comportamentos de agressividade, isolamento, mudanças de humor, irritabilidade, dificuldade de concentração, falha da memória, ansiedade, tristeza, pessimismo, baixa autoestima, falta de ânimo, inclusive para o trabalho. Os sintomas podem estar presentes também fisicamente. É comum a presença de dores de cabeça, sudorese, palpitação, pressão alta, dores musculares, insônia, crises de asma, distúrbios gastrointestinais, respiratórios e cardiovasculares. Em mulheres pode alterar ciclo menstrual.
CUIDADOS
Além do tratamento medicamentoso que inclui antidepressivos e tranquilizantes, com supervisão médica, é fundamental o acompanhamento psicoterápico com profissional experiente e se faz necessária uma mudança no estilo de vida. Atividade física regular e os exercícios de relaxamento podem ser muito úteis, pois ajudam a controlar os sintomas. É importante que os profissionais envolvidos fiquem atentos, se é o ambiente profissional ou se são as atitudes da própria pessoa que geram a crise.

Uma boa qualidade de vida é de fundamental importância para se prevenir a Síndrome de Burnout. É necessário cuidar bem da saúde: dormir bem, ter uma alimentação equilibrada, praticar exercícios físicos e manter uma vida social e familiar bem ativa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PROPOSTA PARA ATENDIMENTO PSICOTERÁPICO

“TENDÊNCIA ATUALIZANTE” (potencialidade)