CARTA ABERTA AO MINISTRO DA EDUCAÇÃO
TDAH PEDE SOCORRO.
Senhor ministro, venho por meio desta, respeitosamente, pedir, solicitar, ou melhor, implorar: faça alguma coisa para minorar o sofrimento das crianças, adolescentes, e principalmente dos milhares de mães e pais que lutam diariamente para ver seus filhos gozarem dos mesmos direitos de outros estudantes. Talvez o senhor não tenha conhecimento, pois para isto seria necessário que estes problemas chegassem ao seu gabinete, o que me parece não tem acontecido.

É muito doloroso ver pais sendo jogado de uma escola para outra a procura de vagas para seus filhos. Pior ainda, para estas crianças e adolescentes, que já no começo de suas vidas, são obrigados a passar por tal constrangimento. Não posso afirmar que o fato aconteça em todo o Brasil. Pode ser que em algum lugar “deste País” estes estudantes gozem da misericórdia dos dirigentes escolares. Contudo, posso afirmar que em minha cidade o fato é real. Há casos de crianças que em apenas um ano letivo passam por duas ou três escolas.  A alegação é sempre a mesma: o estabelecimento não tem condições de lidar com o problema. Dá-lhe transferência e assim o problema vai mudando de endereço.

Como a maioria das famílias que passam pelo problema é de classe mais baixa e quase sempre sem nenhum conhecimento sobre o problema, acaba indo parar no ministério público. O ministério público por sua vez, acredito que na maior boa vontade, encaminha a família para uma determinada escola com um documento que lhes garante a matrícula do aluno. Porém, a garantia é só da matrícula, a permanência do aluno na escola está condicionada ao seu bom comportamento. Aí senhor ministro, é que a “porca torce o rabo”. Sabemos que nos casos de gravidade média ou acentuada é muito difícil a criança se manter dentro desta disciplina por conta própria. Há casos que mesmo com a adição da medicação não se consegue este controle.

Tenho muita dificuldade em entender porque o aluno com TDAH não é contemplado com as mesmas políticas destinadas a alunos com outras dificuldades, como por exemplo, o autismo. Será que o sistema educacional, discorda da opinião dos vários conhecimentos, inclusive da medicina, sobre o TDAH?
Imagine senhor ministro, uma mãe ou um pai, em uma reunião com professores, orientadores, diretores, ouvir que sua criança não tem educação. É muito comum se ouvir frases assim: “ele é assim, porque não recebeu educação em casa”. “Minha escola não é obrigada a ficar com aluno que não quer estudar”. “Aqui na minha escola, o aluno é que tem que adaptar”.

Sem querer ser catastrófico, pois me considero até muito otimista, vejo um futuro negro pra estas pessoas. Veja o senhor, que alguns pesquisadores chegam a afirmar que o percentual de alunos com este problema pode chagar a 6% do universo de estudantes. Se considerarmos uma população de 40.000.000 de matriculados em algum nível escolar podemos chegar a um número de 2.000.000 de estudantes. É um número quase igual população de uma cidade do porte de Belo Horizonte. É claro que reconhecemos que a maioria destes estudantes consegue passar pelo problema sem muitas dificuldades. Porém, os que precisam de ajuda, embora, em número bem menor, se encontram desamparados.


Sou psicólogo com especialização em psicoterapia humanista e psicopedagogia. Faço atendimento, inclusive voluntário a estudantes com dificuldades escolares em uma cidade do Sul de Minas. Esta é minha experiência na clínica.

Comentários

Travis Smith disse…

What's Taking place i am new to this, I stumbled upon this I have discovered It positively helpful and it has helped me out loads. I'm hoping to contribute & assist different users like its helped me. Great job. all of craigslist

Postagens mais visitadas deste blog

Conselho de pai!

PSICOLOGIA HOSPITALAR